De Manaus a Santarém de barco de linha

Atenção: Todos os preços mencionados foram pagos em Dezembro/2020, os valores tendem a aumentar com o passar dos anos.


Na região da Amazônia é muito comum que as pessoas se locomovam de barco, já que os rios são muitos e as estradas poucas. Um tipo de locomoção muito usado por lá é o barco de linha, que corre o Rio Amazonas e faz o trajeto entre muitas cidades. Nesse tipo de embarcação as pessoas podem ir de rede ou alugar uma cabine privativa. Alguns trajetos são curtos e levam apenas um dia, enquanto outros podem levar vários dias: isso depende de onde você sai, para onde você vai, se você está indo contra ou a favor da corrente do rio e também se é época de cheia ou de seca; todos esses fatores são importantes para determinar quanto tempo vai durar a sua viagem.

Foto retirada da internet


Como vocês puderam ler no meu Roteiro Pela Amazônia, eu peguei o barco de linha saindo de Manaus de chegando em Santarém, e fui de rede. Não sei se pelo coronavírus ou se é sempre assim, mas no meu barco não parecia ter nenhum outro turista além de mim - sei disso porque todo mundo parecia saber o que estava fazendo e eu era a única com cara de perdida, e que pediu ajuda para amarrar a rede, rs.

Em Manaus, é possível comprar a passagem do barco no próprio porto com um dia de antecedência. O meu trajeto custou cerca de R$130 ficando em rede (para cabine privativa era muito mais caro), e eu sinceramente recomendo ficar em rede, não vejo muito sentido em ficar em quarto fechado com a passagem sendo tão cara e você não vivendo a experiência real do barco - se for assim vale mais a pena ir de avião.

Me venderam o barco dizendo que o trajeto duraria 30h, quando cheguei na embarcação me disseram que na verdade seriam 36h pois era época de seca. Mas o barco quebrou no caminho e tivemos que ser rebocados, o que totalizou 42h de viagem.



Foi uma experiência interessante passar 42 horas em um barco no rio Amazonas, tive muito tempo pra me entediar, mas também pra refletir sobre a vida e sobre o meu lugar no mundo. Não é uma viagem fácil, pois além de todo esse tempo sem muitas distrações, o conforto também é mínimo, mas eu gostei muito da viagem e com certeza faria de novo!

Algumas dicas que posso dar para quem planeja fazer a viagem é:

  • Chegue cedo quando for começar a viagem para pegar um bom lugar. Cada dia da semana e trajeto é um barco diferente, então pergunte pros locais qual é o melhor local pra pendurar a sua rede. O meu barco foi o Anna Karoline II, e o andar mais aconselhado para colocar a rede é o do meio (o de cima fica tocando música muito alta, e o de baixo é onde vai a carga).

  • Leve livros e baixe podcasts/filmes, você vai ter bastante tempo livre

  • No barco são vendidas três refeições por dia (café da manhã, almoço e jantar) em horários específicos, então leve uns snacks caso dê fome entre uma refeição e outra. O preço de cada PF é R$15 e o café da manhã era R$5.

  • Tem tomada no barco mas, se possível, eu recomendo levar um carregador portátil.

  • Levar também: garrafa de água (tem bebedouro) e papel higiênico/lenço umedecido.

Amanda Areias

Programadora e designer gráfica por profissão, viajante por paixão e feminista por necessidade.​

Mochileira desde os 17 anos, sempre em busca de lugares, culturas e pessoas novas.

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon