Amanda Areias

Programadora e designer gráfica por profissão, viajante por paixão e feminista por necessidade.​

Mochileira desde os 17 anos, sempre em busca de lugares, culturas e pessoas novas.

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon

Três dias pelo maior deserto de sal do mundo - Salar de Uyuni

November 15, 2016

 

Como contei no Salar de Uyuni - Guia Completo, fiz o passeio para o Salar de Uyuni saindo de San Pedro de Atacama, com duração de três dias.

Para saber como chegar, preços, quantos dias ficar e mais outras informações sobre o Salar, acesse o Guia Completo.

 

DIA 1

 

Acordei en San Pedro de Atacama, terminei de arrumar as minhas coisas e me pegaram no hostel as 8am. Entrei num ônibus com outras 11 pessoas e fomos em direção à aduana Chilena - pertinho de San Pedro - para darmos saída do Chile e carimbarmos o passaporte.  Depois de mais uns 40 minutos chegamos à fronteira com a Bolivia: uma casinha no meio do deserto onde carimbamos o passaporte para a entrada no país.
 

 

Lá mesmo tomamos café da manhã, e nos dividimos em dois grupos para ficar cada um em um carro: uma pick up 4x4 que cabe seis pessoas mais o motorista. No meu jipe estava eu, um casal de brasileiros e três ingleses.

A primeira parada do dia é a entrada do Parque Nacional, onde pagamos uma entrada de 150bols (cerca de U$20). É importante guardar essa entrada, pois ela será pedida novamente nos dias seguintes.

Logo do lado da entrada, já vemos a Laguna Branca, onde ficamos cerca de 20min e já partimos para a Laguna Verde, pertinho de lá. Ambas muito bonitas.

 

Laguna Verde 

 

Cerca de 40min depois, a próxima parada do dia é o Deserto de Dali, que leva essa nome graças às suas formações rochosas vulcânicas, que lembram um quadro de Salvador Dali.

 

Deserto de Dali 

 

Um pouco mais adiante é possível se aquecer nas Termas de Polques, admirando uma vista vislumbraste. Para quem quer entrar nas Termas, é importante levar toalha e roupa de banho na mochila - já que as malas ficam em cima do carro e os guias provavelmente não vão aceitar subir no carro para pegar e abrir as malas.

A última parada antes do almoço são os Geysers Sol de Mañana, que são nada mais que fontes de água subterrânea - muito - quente, e que expelem fumaça por buracos na terra. A parada é bem rápida, o cheiro de enxofre é bem forte e é preciso tomar cuidado para não chegar muito perto, pois o contato com a fumaça ou com a água ser perigoso. 

 

 

Termas de Polques & Geysers Sol de Mañana

 

Após os Geysers chegamos ao alojamento. É uma casinha bem simples, onde não há internet, água quente e o quarto é compartilhado com todos os integrantes do seu carro - menos o motorista.

Descansamos uma meia hora, enquanto a comida fica pronta, e depois vamos almoçar. O almoço é bem leve, para que ninguém passe mal: salada, purê de batata e salsicha.

 

 Alojamento primeiro dia

 

Depois do almoço partimos para a última - e mais bonita - parada do dia: a Laguna Colorada.

Uma lagoa enorme de três cores: rosa, azul e branca; com algumas lhamas em volta e MUITOS flamingos. É bonito demais

 

Laguna Colorada

 

Depois da Laguna voltamos ao alojamento e ficamos lá até a hora de dormir. Se preparem que essa noite faz MUITO frio. Os próprios ingleses - que são acostumados com o frio - estavam sofrendo. Dormimos todos com a roupa do dia para não termos que nos trocar, rs.

Esse primeiro dia é o que tem a maior altitude e algumas pessoas passam mal. O brasileiro do meu grupo ficou muito enjoado e com dor de cabeça, o guia preparou um cházinho de coca e ele melhorou um pouco.

Se você não passar mal nesse primeiro dia, não se preocupe que não vai passar em nenhum outro.

 

 

DIA 2

 

Acordamos, tomamos café da manhã e partimos as 8h. A primeira parada do dia foi na Arbol de Piedra, uma formação rochosa com formato de árvore, no meio do deserto. Igual ao Desierto de Dali, ali haviam outras várias formações rochosas.

 

Arbol de Piedra

A próxima parada foi bem rápida: um mirante para ver a Montaña De Los 7 Colores.

 

Montaña de los 7 Colores

 

Depois: mais lagoas! Você vê tanta lagoa entre o Atacama e o Salar de Uyuni que sai de lá nunca mais querendo ver Lagoa, rs.

Conhecemos as quatro Lagunas Altiplânicas, onde almoçamos na penúltima. Almoçamos em um Eco Hotel situado no meio do deserto; é possível ir ao banheiro e usar a internet por 15 minutos; porém, como nada nessa vida é de graça, o banheiro custa 5bols e o wifi 20bols. Se prepare porque até agora os banheiros têm sido bem sujos.

 

Lagunas Altiplânicas

No caminho tivemos até a sorte de encontrar uma raposinha.

 

 

E mais flamingos, que saíram voando quando chegamos perto :(

 

Lagunas Altiplânicas

 

Após as lagoas, passamos pelo Volcán Ollague e, por último, fizemos uma parada para conhecer o Salar de Chiguana; não tão branco e não tão grande quanto o de Uyuni, mas com uma linha de trem que rende bonitas fotos. 

O trem que passa por lá vai de Uyuni a Antofagasta - no Chile - e passou por nós bem quando estávamos por lá.

 

 Salar de Chiguana

 

O pernoite desse dia foi em um hotel de sal, onde o chão e as paredes são feitos de sal - e são realmente salgados (sim eu testei, rs). No hotel há banho quente e é possível dormir em quartos privados.

Jantamos e o guia nos perguntou se queríamos ver o nascer do sol no Salar de Uyuni, obviamente dissemos que sim.

 

 

DIA 3

 

Acordamos as 5am, arrumamos nossas coisas e partimos para o clímax da viagem: o Salar de Uyuni. 

Chegamos um pouco antes das 6am ao Salar e o sol já estava nascendo. Paramos em um lugar onde haviam vários blocos e sal que podíamos usar para escrever palavras na paisagem.

 

Salar de Uyuni

 

A idéia era escrever “Home is on the open road” mas, além de ser muito longo, os blocos de sal eram bem pesados e o “s” seria uma letra um pouco complicada, rs. Me contentei com “Home”. 

 

A segunda parada do dia foi a Isla Incahuasi, uma ilha de cactus no meio do maior deserto de sal do mundo. É muito legal.

Para entrar é preciso pagar 30bols, caminhamos por lá durante uns 40 minutos enquanto o nosso guia preparava o café da manhã.

 

Isla Incahuasi 

Tomamos café e dirigimos até o meio do Salar de Uyuni. O Salar é imenso, e a sensação de olhar para todos os lados e só avistar o chão branco e o céu azul é incrível. Ficamos uma hora lá, tirando fotos e curtindo o lugar.

 

Salar de Uyuni

E é claro que não podiam faltar as famosas fotos em perspectiva:

 

Salar de Uyuni

 

Depois fomos conhecer mais um hotel de sal, o monumento Dakar e um vilarejinho onde o sal é processado.

 

 Monumento Dakar

 

A última parada do dia é o Cemitério de Trenes, um lugar com vários trens abandonados que geram umas fotos legais.

 

Cemitério de Trenes 

Almoçamos e o guia nos deixou na agência na cidade de Uyuni.

Os dois brasileiros e dois dos ingleses iriam voltar para o Atacama, eu e outro inglês continuamos viagem. Ficamos na cidadezinha até escurecer e a noite embarcamos em um ônibus noturno para La Paz.

O onibus custa 250bols e sai as 20h de Uyuni. É um onibus caro, mas a estrada é perigosa e o serviço é muito bom.

 

Salar de Uyuni

 

Como puderam ver, o passeio pelo Salar está longe de ser um luxo. Os alojamentos e a comida são simples, os quartos são compartilhados, não há internet e água quente é algo raro. Mas vale demais a pena.

 

-

 

Se planeja conhecer o Salar de Uyuni e quer ler mais informações sobre o passeio acesse o Guia Completo. Nele você encontrará informações sobre preços, agências, quantos dias ficar, etc.

Please reload

Como criar um projeto social

August 1, 2019

Se eu pudesse te dar um conselho...

February 7, 2018

Você é insignificante

November 16, 2017

Por que você tem tanto medo?

October 3, 2017

1/6
Please reload

Outros posts:

Acompanhe a autora pelo seu instagram: @amandaeareias